Quando nem tudo é o que parece…

 

Existe aquela ideia de que o Natal é uma época de paz e serenidade, o momento certo e ideal para passar mais tempo em família… mas, na verdade, nem sempre é assim.

Numa época tipicamente marcada por intermináveis afazeres, listas de compras, alguns  “encontros imediatos de 3.º grau”e, claro, agora uma pandemia que ainda se veio juntar à festa, é possível apontar inúmeras razões para o Natal ser uma altura do ano de maior angústia ou ansiedade. Eis algumas:

  • Das famílias desestruturadas onde a “obrigação” de estarem todos juntos se torna um verdadeiro tormento;
  • Às famílias aparentemente saudáveis em que o “ter” de parar para se estar uns com os outros, sem ser na correria do dia-a-dia, chega a incomodar;
  • Passando pelas famílias pequenas que olham para as famílias grandes e cheias de tradições natalícias e se comparam, com alguma pena, por não partilharem da mesma experiência e, ainda, se sentem mal por pensarem dessa forma;
  • E claro, as famílias grandes e tradicionais onde encontramos de tudo… desde os que acham que o Natal é assim e é com dificuldade que se revêem noutro contexto, aos paternalistas que ao verem famílias satélites mais pequenas querem “engoli-las” para dentro da sua. Os que acham que é tudo uma grande fachada ou, pior, “chachada”, às pessoas que não se falam durante o ano inteiro e, naquela noite, se comportam como sendo os melhores amigos (isto já para não falar naquele elemento da família que se estica sempre no vinho e fica sem filtro!).
  • Há também a questão das limitações de ordem financeiras que parecem, ainda, maiores perante o desenfreado apelo ao consumo sentido nesta época do ano;
  • Ou a solidão. Pessoas que não têm família, e que sofrem ainda mais numa altura em que “é suposto” estar junto dos que mais gostamos. Mas o que fazer se os que mais gostamos não podem estar connosco, seja por distância geográfica, questões profissionais ou outras? E se os que mais gostamos estão doentes, hospitalizados. Ou se já partiram?
  • E as pessoas com fobia social, que não gostam de estar no meio de muita gente e não vêem alternativa numa época como esta?

Sugestões para minimizar a ansiedade da época:

  1. Defina os seus limites. Não tenha medo de dizer não;
  2. Seja realista, não crie demasiadas expectativas;
  3. Não faça comparações;
  4. Evite assuntos polémicos na escolha de temas de conversa;
  5. Defina o seu orçamento para as festas e cumpra-o;
  6. Simplifique as sua rotinas e afazeres. Delegue, se necessário;
  7. Cultive a gratidão e a atenção ao momento presente.

Importa ter em mente que mais importante do que o que pomos em baixo da árvore, é quem escolhemos para estar em torno dela.

E quem diz árvore, diz mesa! O que nos leva a outra das grandes angústias desta época, a questão da alimentação e dos excessos que cometemos.

Especialmente no Natal, mesa que é mesa tem de ser farta! Farta do bom e do menos bom, porque as tradições existem e, como bons portugueses que somos, fazem sentido serem mantidas.

 

É o que é.

Nessa altura resta-nos ter bom-senso e auto-controlo para saber o que podemos e devemos comer,  preparar-nos para o que aí vem e, quando chegar a hora de sentar à mesa, fazê-lo “sem culpa”.

Consideramos imprescindível falar sobre estas questões, numa altura em que falta pouco mais do que uma semana para o grande dia.

Independentemente da situação individual  e específica de cada um de nós, importa reforçar que quem se revê em alguma das situações acima descritas perceba que não está sozinho, que há muitas outras pessoas a viverem realidades idênticas.

A grande questão passa pela aceitação daquilo que temos, que faz parte da nossa história e do nosso percurso de vida. Na verdade, a maior ansiedade e angústia vem da permanente comparação que fazemos com as realidades que vivem ao nosso lado.

No fundo o que todos queríamos era continuar a viver a Fantasia do Natal como na altura em que “e o coelhinho foi com o Pai Natal no comboio ao circo…”.

Feliz Natal!

Live Wisely | Think Wisely | Move Wisely – Juntos na sua melhor versão

Partilhar em

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Que fome é esta? 5 perguntas que o vão ajudar a perceber se a sua fome é emocional ou fisiológica?

QUE FOME É ESTA?

QUE FOME É ESTA?   Na semana passada falámos sobre as características que diferenciam a fome fisiológica e a fome emocional. Ainda assim, numa fase

Ler Mais »
Fome ou Vontade de comer? Saiba como distinguir a fome fisiológica da fome emocional.

FOME OU VONTADE DE COMER?

FOME OU VONTADE DE COMER? Conheça as diferenças entre a fome emocional e a fome fisiológica. Conhece aquela sensação de apetite súbito que nos faz

Ler Mais »
Devo correr sozinho ou acompanhado?

CORRER SOZINHO OU ACOMPANHADO?

CORRER SOZINHO OU ACOMPANHADO?   Pois é, correr sozinho ou acompanhado? Aqui está uma questão que já passou pela cabeça de todos os corredores, que

Ler Mais »